Sejamos Flor! Sejamos Amor!

Olá Amigos,
Bem Vindos ao Jardim!

Dirijam vossas vidas, seja na tristeza, seja na alegria, sempre derramando pétalas, assim como as flores. As flores, seja dia, seja noite, haja chuva, haja sol, enviam para o ar que respiramos todo o perfume que contem, lembrando aos homens que a vida perfumada segue mais além.

Espalhemos nossas essências de amor perfumando a vida daqueles que nem sequer sabem admirar uma flor, ou nunca pararam para apreciar a beleza gratuita feita pelo nosso Pai com amor, para que os homens se inspirassem na simplicidade e beleza de uma simples flor.

Se colhida e dedicada a alguém significa amor. 

Sejamos apenas simplesmente uma flor. 

Atuemos em estado de graça, espalhemos beleza onde existe tristeza. 

Colhamos as dores alheias e nos transformemos em buquês de flores para oferecermos o nosso amor a todos, com a mesma graça, beleza e cor.

Apenas uma flor. 

O exemplo da flor bastará para uma transformação de muito amor. 

Não importa, jasmim, rosa, cravo, não importa a flor, o importante é que espalhemos as pétalas de nosso amor.

Sejamos Flor! 

Sejamos Amor! (Cora Maria)

São muitas as lições que podemos tirar através da observação da Natureza. A generosidade, que é uma das mais lindas formas de amor é uma delas. Todo mundo admira gestos de bondade e gosta de ser tratado com gentilezas. E por mais difícil que pareça, dá para ser feliz e fazer as pessoas que passam por nós mais felizes com pequenas coisas…

Espalhar amor faz bem para quem recebe e mais ainda para quem distribui. Por isso não hesite, cuide-se bem, cuide do “Seu Jardim”, plante sementes de amor por onde passar e perceba que o que importa mesmo é o amor que a gente coloca em tudo o que fazemos.

Abraços,
Sejamos Felizes!

Imagens: Boredepanda.

Sejamos Flor! Sejamos Amor!

Árvore Escalada com Amor

Olá Amigos,
Bem Vindos ao Jardim!

Seja lá o que se queira fazer, existe sempre uma maneira diferente para fazer a mesma coisa. Tudo é uma questão de como nos relacionamos com o mundo que nos cerca. E se couber nesta relação o cuidado e o respeito, certamente nossas ações terão um destaque diferenciado, pois tais considerações tem caído no esquecimento por parte de muitas pessoas.

O Cuidado e o Respeito deram à criação de uma escada modular para escalar troncos de árvores, um destaque especial pelo valor que estas considerações agregaram a peça, que foi concebida com todo o cuidado necessário para não agredir e prejudicar a estrutura da árvore.

Teria sido mais fácil fazer o mesmo através do uso de perfurações e parafusos para a sustentação da estrutura da escada, mas seus idealizadores, os designers Robert Mcintyre e Thor ter Kulve, escolheram uma maneira mais difícil para fazer a mesma coisa, porém com um diferencial mais inteligente e mais nobre.

O mote inspirador do projeto ocorreu através de uma experiência vivenciada por eles quando puderam assistir o por do sol sobre o oceano do Açores, de cima da copa de uma árvore frondosa existente no jardim da casa onde estiveram hospedados.

Tocados pelo espetáculo da Natureza ao mesmo tempo que eram acolhidos por ela através da copa da árvore, fez com que eles desejassem proporcionar às pessoas uma experiência similar. Assim desenvolveram o projeto de uma escada modular nomeda de CanopyStair, que permite escalar com cuidado e respeito, qualquer árvore afim de atingir o ponto mais alto de sua copa e vislumbrar o mundo através de uma nova perspectiva.

Mcintyre e Kulve criaram um sistema inteligente que permite a qualquer um montar uma escada espiral para escalar o tronco de uma árvore sem machucá-lo. Com estrutura inovadora a escada é estruturada através de cintas acolchoadas com uma espécie de almofada de neoprene onde são anexados vários degraus junto com um corrimão que acompanha o percurso em espiral até a copa da árvore. Tudo com todo o cuidado e Respeito que a Natureza merece.

Saiba + sobre a CanopyStair AQUI

Abraços,
Sejamos Felizes!

Árvore Escalada com Amor

"Furin" # Sinos do Vento

Olá Amigos,
Bem Vindos ao Jardim!

“Furin” – assim são chamados os tradicionais sinos do vento do Japão. Furin significa literalmente “sinos de vento” e tem origem chinesa. É um objeto simples, mas dotado de muita graça e singeleza, que encanta não só através dos variados formatos, mas também através da suave sonoridade quando é embalado pelo vento.

Estima-se que os primeiros Furins surgiram por volta de 11.000 a.C, na China para fins religiosos, quando tratavam-se apenas de sinos de metal sem badalo, eram chamados de “Yong Shong” e feitos somente por artesões qualificados para isso.

Posteriormente os chineses criaram o “Feng Ling”, sino semelhante ao Furin de hoje em dia. Os Feng Lings eram pendurados em templos e pagodes para afastar os maus espíritos e atrair felicidade e sorte às pessoas que frequentavam o local.

Hoje os “Sinos do Vento” – Furins –  são pequenos sinos decorativos que soam com o movimento do vento. Feitos de materiais variados como o metal, bambu, cerâmica, porcelana, etc., são comumente pendurados em galhos de árvores, berais de edificações, sacadas, janelas e todo tipo de local que permita sua livre movimentação e sonoridade ao sabor do vento.

A característica destes sinos parte de uma estrutura principal com formas variadas, na qual pode ser pendurado desde um único pêndulo a inúmeros fios que sustentam diversos materiais com a proximidade suficiente para que se choquem quanto tocados e movimentados pelas mãos ou pelo vento.

A circulação do vento local provoca o movimento do sino simples ou composto, que emite uma sonoridade que segundo as tradições do Oriente, afastam os maus espíritos e atraem a sorte.

Alguns sinos tradicionais que são encontrados no mercado, possuem uma tira de papel sob um dos pêndulos que costuma trazer uma inscrição de um poema ou dizeres de proteção.

No Japão, o sino do vento, é associado a chegada do verão, tendo seu som considerado típico desta estação quando seu tilintar provoca a sensação de frescor anunciada pela brisa.

O som produzido também interage com a energia de cada pessoa, acalmando o estado de espírito. Por isso, é melhor colocar os sinos onde exista uma brisa leve para que seu som seja suave e desse modo, agradável, e não estridente e cansativo.

Quando emitido com suavidade o som do sino do vento evoca uma sensação de relaxamento, pois seu som é considerado um som alfa, ou seja, um som encontrado no primeiro estágio do sono ou de meditação. É o som que acalma de forma mais natural que o ouvido humano conhece, tanto que estudos já provaram que ao reduzir o esforço, ele realça a faculdade criadora, expande a consciência e fornece um sentido de contraponto natural de flutuabilidade.

Eu gosto tanto destes sinos que tenho vários e posso garantir que valem a pena, pois além de embelezar qualquer cantinho, sua sonoridade é uma delícia de se ouvir, principalmente quando tudo o que queremos é dar uma pausa e relaxar…

Veja os “Sinos de Vento” mais criativos que selecionei para sua inspiração…


São infinitas as possibilidades para criar sinos que enfeitam nossos espaços e brincam com o nosso olhar. Seja qual for a forma que compõe o sino com ludicidade, a mágica só acontece quando o vento provoca seu movimento, fazendo-o emitir a sonoridade que nos embala e transporta para um estágio no qual a consciência flutua em sonhos bons…

Abraços desejosos que ventos carregados de bons presságios embalem seus sonhos…
Sejamos Felizes!

Fontes:Japancultpop.br; japaoemfoco; seleções Pinterest.

"Furin" # Sinos do Vento

Cactos em flor

Olá Amigos,
Bem Vindos ao Jardim!

Nem sempre as flores são dissociadas dos espinhos. Algumas espécies de flores não conseguem viver separadas deles, portanto quem quiser levar a rosa ou o cacto para casa, terá que conviver com os espinhos também. Mas como na vida nem tudo sempre são flores, não devemos nos preocupar tanto e sim valorizar a beleza que existe, ou seja, a beleza das flores vale o incomodo dos espinhos.

Espinhentos, mas lindos e com espetaculares florações são os cactos, espécies vegetais pertencentes à família das cactáceas (Cactaceae). São plantas muito resistentes que conseguem sobreviver em ambientes extremamente quentes ou áridos, pelo fato de terem a capacidade de acumular água em seus tecidos.

Caracterizam-se por serem cilindricos, globosos, angulosos ou achatados, geralmente cobertos por espinhos e com  variados tamanhos. O mais alto é o Pachycereus pringlei, cuja altura máxima registrada foi de 19,20 metros. Já o menor registrado é o Blossfeldia liliputiana, da região dos Andes Bolivianos, com cerca de apenas um centímetro de diâmetro.

Todas as espécies de cactos florescem, porém existem alguns tipos que somente irão florescer após 80 anos de idade, ou depois de atingir uma altura superior a dois metros.

Os cactos são encontrados na Américas, desde o Canadá até a Patagônia, e também no Caribe. Possuem a expectativa de vida elevada, podendo sobreviver a mais de 200 anos.

Cultivados no mundo inteiro os cactos são usados como ornamento em vasos ou em jardins decorativos. Dos minis aos mais altos, todos os cactos conseguem viver em vasos e surpreender com a beleza da suas flores.

Uma das espécies de cactos que possui florações freqüentes e espetaculares pertencem à família das Echynopsis também conhecida como ouriço-do-mar, ouriço ou Easter lily. Esses cactos são geralmente redondos e cheio de espinhos curtos, sendo que muitos desta espécie, produzem belas flores em cores que vão do magenta até o branco e são valorizados como os cactos que produzem as mais lindas flores que entusiasmam aqueles que as vêem, não só pelas cores mas também pela exuberância das formas e da múltipla floração.

As fotos deste post são da espécie Echinopsis, e foram fotografadas por um fotógrafo entusiasta destas plantas que atende pelo pseudônimo Echinopsis Freak em homenagem a elas. Suas fotos foram feitas na técnica time lapse com o objetivo de mostrar o movimento de cada flor se abrindo. Elas só abrem durante a noite e só vivem apenas um dia.

Veja as imagens que selecionei  para sua apreciação e inspiração…


Saiba e veja + sobre o trabalho de EchinopsisFreak AQUI

Abraços,
Sejamos Felizes!

Fontes: Wikipédia.org; Jardimdeflores.com.br; site do artista.

Cactos em flor

Lareiras externas aquecendo o Jardim

Olá Amigos,
Bem Vindos ao Jardim!

Ao longo dos últimos anos o uso de pátios e Jardins foi se transformando, deixou de ter somente o mero fim contemplativo e passou a ter diversos usos que possibilitam mais vivências ao ar livre.

Atualmente com a mudança de foco por parte das pessoas, os espaços ao ar livre se tornaram totalmente funcionais, passando a ser considerados extensões da casa em áreas externas vestidas com confortos que tornam mais atraentes as atividades sob o céu.

E, sob o céu, enquanto no verão, podemos contar com o frescor das vegetações e de espaços sombreados no jardim, no inverno, aqueles dias mais frios, muitas vezes nos impendem de estar em áreas externas com conforto. Nesse sentido, com o enfoque atual, soluções que aquecem os espaços ao ar livre também tem surgido para embelezar e aquecer estes espaços, possibilitando um uso agradável e aconchegante, sob um frio céu iluminado pelo azul ou pontilhado pelas estrelas brilhantes do inverno.

Veja as idéias que selecionei para sua inspiração…

Lareiras são peças muito bonitas e que além de aquecer encantam através da atração do fogo. Nos projetos modernos para áreas externas de varandas, pátios e jardins, elas entram em cena contribuindo com mais uma possibilidade para o uso destes espaços, agregando valor estético e muito charme. E o que não faltam são opções de tipos, formas e materiais para se ter uma lareira que embeleze e aqueça nossos encontros no Jardim em dias e noites de inverno.

Veja também mais possibilidades de lareiras no post “Perto do Fogo” AQUI.

Abraços,
Sejamos Felizes!

Fontes: Seleções Pinterest

Lareiras externas aquecendo o Jardim

Trepadeiras na decoração dos Jardins

Olá Amigos,
Bem Vindos ao Jardim!

São muitos os motivos para se escolher trepadeiras para cultivar, sendo os principais a sua capacidade de gerar sombra, disfarçar superfícies indesejáveis, dar frutos, sofisticar os ambientes, florir, colorir, perfumar, atrair borboletas e beija-flores.

Lindas, versáteis e faceiras que são, as trepadeiras se moldam a diversas estruturas para embelezar qualquer canto de jardim, muro, grades, cercas, pergolas, paredes, arcos, pórticos, etc.

As trepadeiras também conhecidas como Lianas e cipós, pertencem a um grupo de plantas que germinam no solo onde se mantém enraizadas, mas necessitam de um suporte que as sustentem eretas ou que conduzam seu crescimento em diferentes estruturas de variados formatos.

Para escalar as superfícies/suportes, as trepadeiras utilizam métodos variados de acordo com seu gênero como por exemplo as espécies de trepadeiras volúveis que possuem caules que se moldam a uma superfície prendendo-se a ela, dentre elas as espécies que apresentam gavinhas que são um tipo de garra que permite que a planta se fixe à superfície de uma parede.

Tipos de Trepadeiras

As trepadeiras com gavinhas são conhecidas como sarmentosas, possuem caules adicionais que são chamados de gavinhas, que garantem a fixação da planta em suportes, telados, aramados, árvores, estacas, etc. Dentre as mais utilizadas deste gênero estão o maracujá e o Amor-agarradinho.

As trepadeiras volúveis se enrolam em qualquer estrutura, são boas portanto para contornar arcos, pergolas, troncos de árvores, etc. Fixam-se bem em suportes variados desde os mais estreitos como fios de nylon e arames, aos mais largos como telas grades e colunas. As mais procuradas são a Tumbérgia azul, a Madressilva, o Sapatinho de Judia e a Jade.

As trepadeiras com raízes adiventícias, são apropriadas para revestir muros e paredes, pois desenvolvem através dos caules raízes que penetram e grudam-se no suporte com muita aderência. As mais usadas para revestir muros e paredes são a unha-de-gato e a falsa-vinha.

As trepadeiras arbustivas e escandentes, não são propriamente trepadeiras, mas podem ser utilizadas como tal e o são, pois podem ser conduzidas em vários suportes desde que bem tutoradas e amarradas devido a sua robustes, como é o caso da Bougavilia – Primavera, Alamanda e Congea.

As trepadeiras podem ser usadas para a obtenção de vários efeitos na decoração de Jardins, pátios ou varandas, sendo particularmente úteis em espaços exteriores pequenos.

Você pode usar trepadeiras para:

  • Criar uma zona de sombra com ajuda de estruturas como uma pergola de madeira ou metal;
  • Cobrir ou disfarçar um muro como, por exemplo, um muro coberto de hera fica lindo vestido com a textura e o movimento verde das suas folhas que também formam um fundo natural que dará mais destaque as flores e plantas ao seu redor. 
  • Criar uma barreira visual para obter privacidade e fugir dos olhares inoportunos dos vizinhos. Para isso, você poderá contar com suportes de treliças, aramados e outros de acordo com o tipo de trepadeira e com seu toque criativo. 
  • Dar destaque à uma parede com um quadro verde e florido. Para isso, crie pontos de apoio com fios esticados na vertical, ou faça uma quadrícula ou forma que desejar para que sua trepadeira se fixe e dê o espetáculo.
  • Integrar visualmente um abrigo ou garagem à uma edificação principal. Para isso pergolas são o ideal.
  • Embelezar uma entrada com trepadeiras por cima de portões ou portas para dar boas vindas floridas para quem chegar.

Seja qual for sua escolha, certamente seu jardim, pátio ou varanda ganharão um charme extra com a beleza e versatilidade das trepadeiras, que ao se moldarem a todo tipo de suporte dão um show a parte, tanto como um simples elemento decorativo isolado, até as composições mais criativas que sua imaginação conceber.

Existem ainda muitas espécies de trepadeiras frutíferas: “verdadeiras delícias” que você poderá
conhecer AQUI.

Abraços,
Sejamos Felizes!

Fontes de imagens: Seleções Pinterest.

Trepadeiras na decoração dos Jardins

Hotel Flutuante # Turismo de Luxo e Inovação

Olá Amigos,
Bem Vindos ao Jardim!

Creio que muito já ouviram a frase “Navegar é preciso, viver não é preciso”. Declamada ou cantada, esta frase pertence ao poema de Fernando Pessoa: “Navegar é Preciso”, do qual cito o seguinte trecho:

Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: 
“Navegar é preciso; viver não é preciso.”
Quero para mim o espírito desta frase, transformada. 
A forma para casar com que eu sou: viver não é necessário; 
o que é necessário é criar. (…)


Neste trecho do poema , Fernando Pessoa atribui ao navegar é preciso o sentido de uma atividade necessária; já ao viver não é preciso, o sentido de que a vida envolve não somente o lado racional, mas também o emocional e o espiritual, que são nutridos pelos processos criativos inerentes aos seres humanos. Nesse sentido, o que não faltou foi criatividade na concepção do premiado projeto de Hotel flutuante, onde o navegar tem o preciso objetivo de possibilitar a contemplação da Natureza num refúgio de paz e conforto que com certeza, ao equilibrar as emoções, fará muito bem ao espírito.

O projeto desenvolvido pela Salt & Water Design Studio,  com o objetivo de promover turismo em águas de rios, foi premiado com o “Millennium Yacht Design Award”. Sem violar a harmonia natural do percurso, este hotel flutuante, contribuirá com uma solução perfeita para um turismo que não agride o meio ambiente, além de promover uma aventura singular.

A estrutura flutuante do hotel é composta por duas partes diferentes: unidades de catamarans que constituem um conjunto de apartamentos e uma construção central, na qual cada unidade pode se conectar, onde ficam a recepção, salão de eventos, restaurante, café e escritório para funcionários.

Ao passar através da construção central flutuante, os hospedes podem atingir as vias nas quais estão estacionados os catamarans apartamentos.

Cada apartamento é na verdade, um catamaran reformulado com um design inovador, que pode ser facilmente desligado da doca e navegado, permitindo aos clientes escolher o local perfeito para suas férias particulares.

Cada apartamento catamaran possui um salão de beleza, uma cozinha, um banheiro, uma sala com espaço de armazenamento e um quarto para dormir acima do salão, podendo acomodadr de 2 a 4 pessoas graças à possibilidade de  conversão do salão de beleza em uma cama de casal. Cada unidade possui ainda uma plataforma de fácil acesso à água para natação, mergulho, pesca e banhos de sol.

A idéia principal é permitir aos utilizadores desfrutar de sua estadia através de uma navegação a uma velocidade bem lenta e com uma visão ininterrupta da Natureza ao redor. Razão pela qual os catamarans foram projetados com uma forma incomum com grandes janelas frontais, vidros e ripados laterais para que nada seja perdido de vista.

Segundo palavras de seus criadores: “Catamarans apartamentos podem ser considerados como “Quadros da Natureza” – que conectam os clientes com a água e o céu isolando-os do estresse cotidiano.”

Ah…, numa belezura destas, Navegar é Preciso e Viver também é Preciso! 
Eu bem que estou precisando navegar assim. E você?

Saiba + sobre SALT&WATER  AQUI

Abraços,
Sejamos Felizes!

Fonte: Salt & Water.rs

Hotel Flutuante # Turismo de Luxo e Inovação